Com o objetivo de estimular o desenvolvimento do centro-oeste, o FCO Empresarial oferece crédito com prazos e condições especiais para empreendedores da região.

FCO

Um questionamento recorrente na vida de um empreendedor é como e onde obter um financiamento para o seu projeto. Para essas pessoas, é importante conhecer as diferenças de cada linha de crédito, que atendem desde empreendedores individuais (EI) e donos de micro e pequenas empresas (MPEs) a projetos de grande porte, que exigem um grande volume de investimento.

Uma dessas opções é o Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO), que executa programas de financiamento para alavancar o desenvolvimento econômico e social da região. A verba liberada para o FCO é repassada para dois programas de financiamento: Programa de FCO Empresarial e Programa de FCO Rural.

Com a intenção de ser acessível aos mais diversos tipos e tamanhos de empreendimentos, o fundo tem condições diferentes do mercado tradicional, tais como taxas de juros diferenciadas, limites financiáveis e prazos de pagamento e de carência. Só em 2018, o FCO já disponibilizou aproximadamente R$ 7,9 bilhões de reais para financiamento, ficando assim com o posto de segundo fundo constitucional com mais verba no Brasil.

O FCO Empresarial, em especial, tem a finalidade de “financiar todos os bens e serviços necessários à implantação, ampliação e modernização de empreendimentos, capital de giro associado e capital de giro dissociado para amparar gastos gerais relativos à administração do negócio/empreendimento” (Programação FCO, 2018). Entretanto, isso não se aplica a qualquer item, atividade ou setor da economia. Na verdade, existem restrições e condições de enquadramento para se obter esses recursos.

Como descrito nos itens 2.1 e 2.2 da Programação FCO 201, algumas dessas restrições envolvem itens não financiáveis, como encargos financeiros, terras e terrenos sem edificações concluídas (exceto para localização ou relocalização de empreendimentos de micro e pequenas empresas), veículos automotores (exceto para algumas linhas de financiamento específicas) e a aquisição de bens e serviços de empresa constituída exatamente pelos mesmos sócios da empresa tomadora do financiamento. Já a lista de atividades não financiáveis, inclui jogos eletrônicos ou jogos de azar de qualquer espécie e comercialização de fumo.

Depois de confirmar que o financiamento não será utilizado para bancar itens ou atividades restritas, o próximo passo é o enquadramento do seu negócio em uma das linhas de financiamento do Programa de FCO Empresarial.

No programa existem 5 linhas de financiamento divididas entre aquelas direcionadas para empreendedores individuais, micro ou pequenos empreendedores e grandes empreendedores, e nomeadas com base em setores mercadológicos como desenvolvimento industrial, turismo regional, setores comercial e de serviços e ciência, tecnologia e inovação.

É importante dizer que as especificidades de enquadramento para cada linha podem ser encontradas no título IV da Programação do FCO 2018, assim como os prazos para investimento e capital de giro, que variam de acordo com a linha de financiamento ideal e o porte da empresa.

Além disso, para formalizar o processo é preciso dados e documentos do empresário e do projeto e apresentar uma proposta, mediante Proposta de Financiamento (no caso de valor inferior a R$ 1 milhão) ou Carta-Consulta e Proposta de Financiamento (no caso de valor igual ou superior a R$ 1 milhão). Ambos os documentos seguem um modelo proposto pelo banco, e perpassam desde a identificação do proponente até a elaboração de fluxos de caixa do empreendimento.

Por fim, pode ser indispensável elaborar um projeto de viabilidade econômico-financeira caso a consulta prévia do banco indique a necessidade, ou caso o documento seja exigido pela linha de crédito pretendida.

Ainda tem dúvidas sobre o FCO? Comente!